A origem de nossa paróquia vem de muitos anos, época marcada pela especial devoção ao Divino Espírito Santo do casal Cândido Prudêncio de Lima e Francisca Firmina de Lima, vindos da Lapa no fim do século XIX. Julgando-se agraciada por inúmeras bênçãos recebidas, Francisca propô-se a erigir uma capela junto à sua própria residência. Em 31 de janeiro de 1913, Júlio César Guimarães doou um terreno para tal construção.

O sonho de Francisca teve continuidade com sua filha Benedita da Veiga que, com o mesmo ardor e acompanhada de muitos outros fiéis devotos, assumiu a obra iniciada por seus finados pais. O culto ao Divino Espírito passou a acontecer nas missas celebradas na pequena capela Nossa Senhora da Glória, para onde os fiéis iam e voltavam em procissão. Naquela ocasião, a “Bandeira do Divino” já era marca registrada dos devotos.

Anos mais tarde, Pe. Bernardo Krasinski, vindo ao encontro dos anseios dos moradores deste bairro, iniciou, em novo terreno doado por José Loureiro Fernandes e sua esposa, o monumental templo, dedicado ao Divino Espírito Santo.

A festa de Nossa Senhora das Graças de 1949 foi o marco inicial das obras da nossa atual paróquia. A belíssima imagem de Nossa Senhora das Graças, que ainda hoje podemos venerar em nosso templo, foi entregue pelo casal José Macedo Sobrinho e Elzira Faria de Macedo. Esta devoção veio nomeá-la também como padroeira da comunidade.

O lançamento da pedra fundamental aconteceu no dia 04 de dezembro de 1949, com celebração da primeira missa por Dom Ático Eusébio da Motta, contando com a presença de autoridades eclesiásticas, civis e militares. Finalmente no dia 30 de abril de 1954, oficializou-se o decreto de criação da paróquia do Divino Espírito Santo e Nossa Senhora das Graças, entregue ao Pe. Oswaldo Guilherme Newman, até então Vigário Cooperador da Catedral, desde sua ordenação sacerdotal, em 7 de dezembro de 1952. Sua nomeação como pároco foi sacramentada por Dom Manoel da Silveira D’Elboux, Arcebispo Metropolitano de Curitiba.

No dia 2 de maio de 1954, às nove horas da manhã, a paróquia foi inaugurada oficialmente, tendo como limites outras comunidades mais antigas: Cabral, Abranches, Mercês e Catedral.

A matriz provisória institui-se no salão da rede das associações dedicada ao Divino Espírito Santo e Nossa Senhora das Graças, hoje nosso salão paroquial. Na época, o local recebeu temporariamente todas as prerrogativas e privilégios que competem às Igrejas matrizes. Isto significa que o salão foi suprido de Sacrário, Altar e Pia Batismal, além da instituição de arquivo para guardar todos os registros pertinentes à recém-inaugurada paróquia.

Em meados do ano de 1955 iniciaram-se as primeiras providências par a construção do novo templo, nossa atual igreja. Vindo ao encontro das necessidades do momento, contou-se com a valiosa colaboração de Bortolo Gava que disponibilizou um trator para o serviço de terraplanagem do terreno.

Em 12 de outubro de 1955, uma cerimônia especial marcou o início da construção dos alicerces. No ponto central do terreno, foram cavadas duas valas em forma de cruz e preenchidas com pedras bruta, sendo esse o símbolo da belíssima futura obra.

Desenho feito por Paulo Cândido Oswald, paroquiano que participou da construção da igreja

Entretanto, o sonho precisou ser interrompido por certo tempo, pois não se previa que a prefeitura havia traçado pela cidade uma avenida perimetral, que atingiria justamente a igreja em construção.

Data importante a ser lembrada é o dia 25 de janeiro de 1957, quando oficialmente foi inaugurada pelo Pe. Oswaldo Newman a nova residência da Pia Sociedade das Filhas de São Paulo, as Irmãs Paulinas. A comunidade passou a contar, desde então, com dez irmãs e quinze aspirantes, residentes no Instituto Dom Alberione, localizado nas imediações da Paróquia Divino Espírito Santo.

Finalmente, em 19 de março de 1957, retomaram-se os trabalhos de construção, iniciando com a retaliação do terreno para a execução dos alicerces. A comunidade participou ativamente com contribuições financeiras destinadas à construção da nova Igreja. Não foram poucos os problemas encontrados na fase de execução da estrutura de base, pois uma parte do terreno era pedregoso e de outra parte vertia água em abundância. Porém, nada que uma boa engenharia não pudesse resolver.

Em agosto de 1958, os primeiros tijolos começaram a erguer as paredes da tão esperada edificação. O trabalho de confecção e montagem dos andaimes em madeira foi árduo, á frente desta tarefa esteve Nicolau Fiori. Houve, também, a colaboração de um grupo de pessoas que formavam uma comissão de obras, dentre os quais: João Loprete Frega, Pedro Lago e José Poderoso de Moraes.

Uma das últimas etapas da construção de nossa igreja foi a cobertura e a fixação da cruz iluminada no topo da cúpula. Devido a recursos não disponíveis, lançou-se uma campanha, a saber, um sorteio pela loteria federal, que premiou os ganhadores com dois carros novos: uma ‘Vermaguete” e um “Ford Galaxie”. A cooperação da comunidade foi surpreendente, fazendo da tentativa temerosa um sucesso.

O primeiro Conselho Pastoral Paroquial foi composto em 21 de julho de 1979. Desde a sua fundação, a paróquia teve o Pe. Oswaldo Guilherme Newman como pároco atá maio de 1981, 27 anos dedicados à comunidade do Divino.

No dia 10 de maio de 1981, tomou posse o Pe. Leonardo Lima e Silva, permanecendo 16 anos na paróquia. No dia 03 de agosto de 1997 tomou posse como pároco desta comunidade Pe. Elmo Heck. No dia 01 de setembro de 2007 tomou posse o Pe. Adriano Olivério Monteiro Pinto, permanecendo até o dia 26 de agosto de 2015. O Atual pároco, Pe. Luciano Tokarski, tomou posse em 30 de agosto de 2015 pelas mãos do Arcebispo de Curitiba, Dom José Antônio Peruzzo.