TRÍDUO PASCAL

IGREJA DOMÉSTICA REUNIDA PARA CELEBRAR O MISTÉRIO PASCAL DE CRISTO


QUINTA-FEIRA SANTA
MEMÓRIA DA ÚLTIMA CEIA DE JESUS

– Esta oração pode ser feita individualmente ou em família. Ao pôr do sol da quinta-feira santa, antes da janta a família se reúne, uma pessoa preside, outra faz a leitura.

1. ABERTURA

Vós sois o caminho a verdade e a vida o pão da alegria descido do céu. (bis)

2. MOTIVAÇÃO 

– Quem coordena faz o convite:

Nesta celebração, recordando a última Ceia de Jesus, iniciamos a grande festa anual da páscoa, a memória da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. Hoje, ao redor de nossa mesa, nos alegramos com a presença de Jesus em nossa casa. Renovemos o nosso desejo de viver o mandamento do amor que ele nos deixou.

3. SALMO 116,12  

Eu vos dou o novo mandamento: Que vos ameis uns aos outros assim como eu vos amei, disse o Senhor.

              1.                                 Como é que vou retribuir ao meu Senhor Tudo de bom que ele por mim realizou? 

4. LEITURA BÍBLICA – João 13,1-15. 

– Um leitor ou leitora faz a leitura pausadamente:

Evangelho de Jesus Cristo segundo João. 

Era antes da festa da Páscoa. Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido. Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”. Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”. Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”. Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”. Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. Portanto, se eu, o Senhor e Mestre vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz”. Palavra da Salvação.

5. MEDITANDO A PALAVRA 

– Breve silêncio… Em seguida quem preside lê o texto que segue 

Na sua última ceia, Jesus nos deixou o mandamento de fazer a memória de sua entrega por nós, seja pelo gesto de partilhar o pão e o vinho, seja pelo gesto de lavar os pés uns dos outros. Em situação de quarentena, mesmo não lavando os pés, podemos obedecer ao mandamento do amor, cada um cuidando de si e dos demais. Deus está em nosso meio. Ele mesmo lava os nossos pés através de todo serviço realizado pelos irmãos e de tantas pessoas que, de alguma forma, contribuem para que o alimento chegue em nossa mesa. 

Breve silêncio

6. INVOCAÇÃO 

Invoquemos a Cristo, nosso Salvador, dizendo após cada pedido: Livra-nos, Senhor!

  • De todos os males que afligem a humanidade.
  • Da fome, da pobreza e do egoísmo. 
  • Das doenças e das epidemias.  
  • Da maldade devastadora, da ganância e da violência. 
  • Das armadilhas da má informação e da manipulação das consciências.  
  • Do ódio que nos fecha o coração. 
  • Da indiferença que humilha e do medo que paralisa. Livra-nos… 

7. PAI NOSSO

Oremos ao Pai com a oração que Jesus nos ensinou: Pai nosso…

– Pode-se fazer breve intervalo para preparar a mesa. Estando a mesa posta, as pessoas podem sentar à mesa e oração continua:

8. ORAÇÃO À MESA – I Coríntios 11,23-26  Primeira carta de Paulo aos Coríntios. 

Irmãos, o que eu recebi do Senhor, foi isso que eu vos transmiti: Na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória”. Do mesmo modo, depois da ceia, tomou também o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança, em meu sangue. Todas as vezes que dele beberdes, fazei isto em minha memória”. Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, estareis proclamando a morte do Senhor, até que ele venha. Palavra do Senhor.

Oração:

Vamos bendizer a Cristo por estes alimentos, dizendo: Bendito sejas, Senhor Jesus! 

  • Bendito sejas, Senhor Jesus, porque no momento mais difícil de tua vida quiseste sentar à mesa com teus discípulos.

Bendito sejas, Senhor Jesus

  • Bendito sejas, porque tantas vezes visitaste as casas e sentaste à mesa como sinal de comunhão do Pai com todas as pessoas. Bendito sejas, Senhor Jesus!
  • Bendito sejas, porque muitas vezes abençoaste e partilhaste o pão com o povo faminto que perdido te procurava. Bendito sejas, Senhor Jesus!
  • Bendito sejas, porque em tua santa ceia nos deste a garantia da tua presença para sempre junto a nós. Bendito sejas, Senhor Jesus!
  • Repartimos o pão em teu nome, frutos da terra e do trabalho de tantas mãos. Derrama a tua bênção sobre nós e estes alimentos. Dá-nos a alegria da tua presença. A ti, louvor e glória pelos séculos. Amém. – Abençoe-nos o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Amém.

SEXTA–FEIRA SANTA
MEMÓRIA DA MORTE DO SENHOR

– A partir das 15 horas, cada pessoa individualmente, ou a família se reúne em oração. Coloca no centro do espaço ou sobre a mesa da sala uma cruz. 

1. SILÊNCIO  

– A celebração deste dia começa com um profundo silêncio… Quem preside convida os presentes a olhar a cruz em silencio, reconhecendo nela o mistério do amor de Deus pela humanidade.  Depois de um tempinho, faz a oração que segue:

2. ORAÇÃO  

Ó Deus, tudo mudou com a paixão de nosso Senhor Jesus Cristo. Da humanidade veio o pecado e a morte. De Jesus veio o perdão e a vida. Conceda, ó Pai, que nos tornemos semelhantes ao teu Filho,  transformados na sua imagem, mulheres e homens novos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

3. SALMO 31 (30),2-3.18-19.24  

Com Jesus na cruz, entreguemos nas mãos do Pai o grito de todos os condenados à morte. Que o Senhor responda ao clamor dos sofredores. 

Todos/as cantam o refrão e o/a salmista as estrofes.

Eu me entrego, Senhor, em tuas mãos e espero pela tua salvação!

  1. Em tuas mãos eu entrego o meu espírito, Ó Senhor Deus, és tu quem me vai salvar; Tu não suportas quem serve a falsos deuses, Somente em ti, ó Senhor, vou confiar!
  2. Não me envergonho, Senhor, de te implorar; Envergonhados eu veja os malfazejos, Emudecidos na região dos mortos, Quem contra o justo só fala com desprezo!  
  3. Amai a Deus! O Senhor guarda os fiéis! Vão pagar caro os soberbos, seus rivais! De coração sede firmes, corajosos, Vós todos que no Senhor sempre esperais! 
  4. Glória a Deus Pai, porque tanto nos amou; Glória a Jesus, que se deu por nosso bem; Glória ao Divino, que é fonte deste amor: Nós damos glória agora e sempre. Amém! 

4. LEITURA DO EVANGELHO – João 19,14-18.25-30

– Um leitor ou leitora, leia pausadamente.

Leitura da Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo. 

Era o dia da preparação da Páscoa, por volta do meio-dia. Pilatos disse aos judeus: “Eis o vosso rei” Eles, porém, gritavam: “Fora! Fora! Crucifica-o!” Pilatos disse: “Hei de crucificar o vosso rei?” Os sumos sacerdotes responderam: “Não temos outro rei senão César”. Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram. Jesus tomou a cruz sobre si e saiu para o lugar chamado “Calvário”, em hebraico “Gólgota”. Ali o crucificaram, com outros dois: um de cada lado, e Jesus no meio. Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Dessa hora em diante, o discípulo a acolheu consigo. Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: “Tenho sede”. Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. Ele tomou o vinagre e disse: “Tudo está consumado”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. 

– Todos se inclinam em silêncio

5. ADORAÇÃO DA CRUZ

– Uma pessoa tome nas mãos a cruz e mantenha erguida. Quem preside diz ou canta:

Eis o lenho da cruz do qual pendeu a salvação do mundo. Vinde adoremos! 

Quem preside faz o convite:

Inclinemos nosso coração, adoremos o mistério do amor que venceu a morte com sua própria morte. Recordamos as dores de toda a humanidade nestes tempos de pandemia. Em silêncio digamos com toda a confiança as últimas palavras que Jesus escutou antes da sua morte: “Senhor, lembre-se de mim”

-Alguém entoa o canto que segue, e todos repetem a ultima linha de cada estrofe:

  1. Bendita e louvada seja no céu a divina luz e nós também cá na terra, louvemos a santa cruz [bis].
  2. Sustenta gloriosamente, nos braços o bom Jesus. Sinal de esperança e vida o lenho da santa cruz. [bis]
  3. Cordeiro imaculado, por todos morreu Jesus; Pagando as nossas culpas, é rei pela sua cruz.
  4. Ao povo aqui reunido, dai graça, perdão e luz; Salvai-nos, ó Deus clemente, em nome da santa cruz.

6. INVOCAÇÃO 

– Quem preside faz o convite:

Invoquemos a Cristo, dizendo com confiança: Salva-nos, Senhor.

  • Olha a humanidade, aterrorizada pelo medo e pela angústia. Salva-nos, Senhor.
  • Olha para os doentes e os moribundos, oprimidos pela solidão. Salva-nos, Senhor.
  • Olha para os médicos e os agentes da saúde, exaustos de cansaço. Salva-nos, Senhor.
  • Olhai para os políticos e os governantes, que carregam o peso das decisões. Salva-nos, Senhor.

7. PAI NOSSO 

– Quem preside convida: Pai nosso…

8. ORAÇÃO SOBRE A FAMILIA

Que a tua bênção, ó Deus, desça abundante sobre esta família, neste dia em que celebramos o mistério do amor que venceu a morte.  Venha o teu perdão e o teu consolo, cresça a nossa fé em ti e liberdade para a qual Cristo nos libertou. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

– A cruz seja colocada diante da porta da casa, como sinal de agradecimento pela salvação que vem do Senhor.


SÁBADO SANTO
MEMÓRIA DA SEPULTURA DE JESUS

– O sábado santo, pela manhã, é o segundo dia do Tríduo. Neste dia a Igreja faz memória da sepultura do Senhor. Cada pessoa individualmente, ou a família se reúne em oração. A hora mais adequada é cedinho, ou ao longo da manhã. 

1. ABERTURA 

Deus santo, Deus santo e forte, Deus imortal. Piedade, Senhor.

– Ou salmo 130[129],5-6:

Confia a minh’alma no Senhor, nele está minha esperança.

  • No Senhor ponho a minha esperança e na sua Palavra.
  • Espera a minh’alma o Senhor, mais que os guardas pela aurora.

2. MOTIVAÇÃO

Nesta oração recordamos o dia que Jesus foi sepultado, descendo nas profundezas da nossa humana condição. Oremos em comunhão com as pessoas enlutadas, com as que estão doentes e sentem o medo da morte. 

3. SALMO 16(15)

– Quem coordena faz o convite:

Ao rezar este salmo coloquemos nossas vidas nas mãos de Deus, renovemos nosso confiança que ele não nos abandonará. 

– Um salmista canta ou recita o salmo pausadamente, para que os demais possam rezar em silêncio no coração.

Protege-me, ó Deus, tu és meu abrigo; “Só tu és meu bem”, eu digo ao Senhor. Rejeito esses deuses que o mundo promove; Aos grandes não sirvo, nem presto favor. 

Aqui, nesta terra, és, Deus, minha herança, Em ti meu destino, porção garantida: Tiraram a sorte pra ver minha parte, Tu és a mais bela herança da vida. 

Bendito o Senhor que é meu conselheiro, À noite me alerta o meu coração. Pra sempre o Senhor perante os meus olhos, Com ele meus passos não vacilarão. 

O meu coração se alegra contente, Até minha carne repousa segura. No mundo dos mortos tu não me abandonas, 

Nem deixas teu servo preso à sepultura. Tu me ensinarás da vida o caminho, Em tua presença há muita alegria.  O Deus do universo, qual Mãe se mostrou, Cantemos louvores de noite e de dia. 

4. LEITURA BÍBLICA – Mateus 27,57-61

– Uma pessoa faça pausadamente a leitura:

Leitura do Evangelho segundo Mateus. 

Ao final da tarde, chegou um homem rico de Arimateia, chamado José que também se tornara discípulo de Jesus. Ele foi até Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Pilatos ordenou que lhe fosse entregue. José tomou o corpo, o envolveu num lençol de linho limpo, e o colocou no tumulo novo que ele havia escavado para si na rocha. Depois, rolando uma grande pedra, na entrada do túmulo, foi embora. Estavam aí Maria Madalena e a outra Maria, sentadas diante do sepulcro.

5. MEDITANDO A PALAVRA – Bento XVI – 2/5/2010

– Depois de breve silêncio, quem preside leia pausadamente o texto que segue:

O Sábado Santo é aquele intervalo único e irrepetível na história da humanidade e do universo em que Deus, em Jesus Cristo, compartilhou não só nosso morrer, mas também nosso permanecer na morte. A solidariedade mais radical. Todos temos sentido alguma vez uma sensação espantosa de abandono. Isto é o que mais tememos da morte. Só a presença de uma pessoa que nos ama nos dá segurança. Pois bem, isto é o que ocorreu no Sábado Santo: no reino da morte ressoou a voz de Deus. Aconteceu o inimaginável: que o Amor penetrou “nos infernos”: na obscuridade extrema da solidão humana mais absoluta. Também nós podemos escutar a voz que nos chama e a mão que nos toma e nos tira para fora. O ser humano vive porque é amado e pode amar. E se no espaço da morte penetrou o amor, então chegou ali a vida. Na hora da extrema solidão, nunca estaremos sozinhos. 

6. PRECES DE LOUVOR

Louvemos a Cristo nosso Salvador, dizendo: Louvor a ti, Senhor!

  • Cristo, desceste ao ponto mais baixo da nossa condição humana e permaneceste junto daqueles que estão abandonados. Louvor a ti, Senhor!
  • Como semente que caiu na terra, conheceste a morte e nos livraste de todo medo. Louvor a ti, Senhor!
  • Pelo teu amor venceste o mal e o ódio e agora vives para sempre junto do Pai. Louvor a ti, Senhor!

7. PAI NOSSO

– Quem preside faz o convite: Pai nosso…

8. ORAÇÃO SOBRE A FAMILIA

Pai cheio de bondade, teu Filho desceu ao silêncio da morte, como todo ser humano, mas da morte surgiu vitorioso. A nós que fomos sepultados com ele no batismo, concedei que, pela força de sua ressurreição, participemos da vida eterna. Te pedimos também que toda a humanidade caminhe, para a plenitude do teu amor, conduzida por Cristo, que vive e reina contigo, na unidade do Espírito.


SÁBADO SANTO
VIGÍLIA DA RESSURREIÇÃO DE JESUS

– Depois do pôr do sol cada pessoa se recolhe ou a família se reúne para a oração, antes do jantar.  Deixando o local meio escuro, uma pessoa segura uma vela apagada.  A oração começa com o refrão de Abertura. 

1. ABERTURA

A nós descei, divina luz, a nós descei divina luz, em nossas almas acendei o amor, o amor de Jesus.

2. RITO DA LUZ

– Alguém acende a vela dizendo:

A luz de Cristo, que resplandecente ressuscita, dissipe as trevas de nosso coração e da nossa mente. 

3. ORAÇÃO 

Ó Deus da vida, que iluminas esta noite santa com a glória da ressurreição do Senhor, renova em todas as Igrejas a alegria da consagração ao teu serviço para que, mergulhados no teu amor, sejamos anunciadores da esperança e parceiros na construção de um mundo renovado. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

4. LEITURA BÍBLICA – Ex 14,15-16.21-22.30-31. 

Leitura do livro do Êxodo. 

Naqueles dias, o Senhor disse a Moisés: “Por que clamas a mim por socorro? Dize aos filhos de Israel que se ponham em marcha. Quanto a ti, ergue a vara, estende o braço sobre o mar e divide-o, para que os filhos de Israel caminhem em seco pelo meio do mar. Moisés estendeu a mão sobre o mar, e durante toda a noite o Senhor fez soprar sobre o mar um vento leste muito forte; e as águas se dividiram. Então, os filhos de Israel entraram pelo meio do mar a pé enxuto, enquanto as águas formavam como que uma muralha à direita e à esquerda. Naquele dia, o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios, e Israel viu os egípcios mortos nas praias do mar, e a mão poderosa do Senhor agir contra eles. O povo temeu o Senhor, e teve fé no Senhor e em Moisés, seu servo. Palavra do Senhor. 

5. SALMO 136 (135) 

– Cantado ou recitado:

  • Em coro a Deus louvemos, eterno é seu amor. Pois Deus é admirável, eterno é seu amor.

 Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor.

  • Tirou Israel do Egito, eterno é seu amor. O mar vermelho abriu, eterno é seu amor. Por nós…
  • De nós ele se lembra, eterno é seu amor. Com o povo o pão reparte, eterno é seu amor. Por nós…

6. ORAÇÃO

Ó Deus como outrora tiraste teu povo do Egito e o conduziste a uma terra boa, hoje nos fazes renascer na tua misericórdia. Que todos experimentem a força amorosa do teu coração que sempre se manifesta atento aos nossos clamores. Teu amor derruba nossos egoísmos e divisões e nos une numa única humanidade, sinal da tua bênção. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

7. LEITURA DO EVANGELHO – João 20,1-9

Proclamação do Evangelho segundo João.  1

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. 2Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. 6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou. 9De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos. Palavra da Salvação.  

8. MEDITAÇÃO

– Depois de um breve silêncio, quem preside lê o texto que segue:

Com a humanidade vivemos um tempo longo de escuridão. De dentro desta noite, recordamos aquela noite que testemunhou a vitória de Jesus sobre a escuridão da morte. A mesma noite em que Deus libertou do Egito o povo escravizado, noite da história de tantos outros povos. Ninguém viu a ressurreição, só a noite a viu resplandecer. As discípulas e discípulos do Mestre foram cedo, mas já encontraram o túmulo vazio e tiveram a certeza de que o Senhor estava vivo.  Esta noite escura pela qual passamos, há de ver uma luz, e a humanidade não será mais a mesma. Um mundo novo pode nascer desta escuridão.

9. BÊNÇÃO DA ÁGUA

Invoquemos a bênção de Deus sobre esta água, cada um reze em silêncio no seu coração.

– Oração silenciosa… Quem preside faz a oração:

Ó Deus, bendito sejas por esta água que criaste para fecundar a terra, lavar nossos corpos e refazer nossas forças. Nas águas do Mar vermelho, libertaste o teu povo do cativeiro e com a água que saiu da rocha aplacaste no deserto a sua sede. Nas águas, santificadas por Jesus Cristo no Jordão, somos mergulhados para o novo nascimento do perdão e da vida no Espírito. Que esta água seja para nós a recordação do nosso batismo. Por Cristo, nosso Senhor. Amém. 

– Quem preside oração, asperge as pessoas com um ramo. 

10. PAI NOSSO

– Quem preside convida: Pai nosso…

11. ORAÇÃO À MESA

– Prepara-se a mesa do jantar. Antes de sentar-se à mesa, quem preside diz a benção:

  • Deus de bondade, nós te bendizemos nesta noite santa da Ressurreição de Jesus, o cordeiro pascal, que por nós ofertou sua vida. Glória, a ti Senhor! 
  • Hoje ele nos alegra com a sua presença em nossa mesa, fortalece nossa fraternidade e solidariedade e renova nossa confiança em ti. Glória, a ti Senhor! 
  • Derrama a tua bênção sobre nós e estes alimentos, dá-nos o vinho novo reservado para o fim dos tempos. A ti, louvor e glória pelos séculos. Amém.
  • Abençoe-nos, o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Amém.

DOMINGO DE PÁSCOA
MEMÓRIA DA RESSURREIÇÃO DE JESUS

– De manhã antes do almoço ou à tarde antes do jantar, a família se reúne para um momento de oração, tendo ao meio a vela que foi acesa na noite, iluminando com a luz do Ressuscitado. Pode fazer desta forma também quem reza individualmente.

1. ABERTURA

Cristo ressuscitou aleluia, venceu a morte com amor. Cristo ressuscitou aleluia, venceu a morte com amor, aleluia. 

– Ou: se a oração for à tardinha:

Fica conosco, Senhor, é tarde a noite já vem. Fica conosco Senhor, somos teus seguidores também.

2. SALMO 118[117],1-9.13-16.24-29

Demos graças ao Senhor pela esperança renovada de nossa libertação total e definitiva. 

Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! 

  1. Rendei graças ao Senhor, Que seu amor é sem fim! Diga o povo de Israel: Que seu amor é sem fim!  Digam já seus sacerdotes: Que seu amor é sem fim! Digam todos que o temem: Que seu amor é sem fim! 
  2. Invoquei-o na aflição: Eis que o Senhor me ouviu! O Senhor está comigo: Eis que o Senhor me ouviu!  Vencerei meus inimigos: Eis que o Senhor me ouviu! É melhor confiar nele: Eis que o Senhor me ouvi!
  3. Empurraram, não caí, Pois o Senhor me salvou! Nele está a minha força, Pois o Senhor me salvou!  Alegraram-se os justos, Pois o Senhor me salvou! Sua mão fez grandes coisas, Pois o Senhor me salvou! 
  4. Eis o dia do Senhor: Alegres, nele exultemos! Eis o dia em que ele agiu: Alegres, nele exultemos!  Eis o dia que ele fez: Alegres, nele exultemos! Vem salvar-nos, ó Senhor: Alegres, nele exultemos! 
  5. Rendei graças ao Senhor, Pois seu amor é sem fim! Deus é bom, rendei-lhe graças, Pois seu amor é sem fim! 

3. LEITURA DO EVANGELHO – Lc 24,13-20.25-31

– Alguém faça a leitura do evangelho pausadamente

Leitura do Evangelho de Lucas.

Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos iam para um povoado, chamado Emaús, a uns dez quilômetros de Jerusalém. Então, Jesus perguntou: “O que andais conversando pelo caminho?” Eles pararam com o rosto triste, e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “És tu o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes dias?” Ele perguntou: “Que foi?” Eles responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e diante de todo o povo. Os sumos sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Então ele lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! Não era necessário que o Cristo sofresse tudo isso para entrar na sua glória?” E começando por Moisés e passando por todos os profetas, explicou-lhes, em todas as Escrituras, as passagens que se referiam a ele. Quando chegaram perto do povoado para onde iam, ele fez de conta que ia adiante. Eles, porém, insistiam: “Fica conosco, pois é tarde e a noite vem chegando!” Ele entrou para ficar com eles. Depois que se sentou à mesa com eles, tomou o pão, pronunciou a bênção, partiu-o e deu a eles. Neste momento, seus olhos se abriram, e eles o reconheceram. Ele, porém, desapareceu da vista deles. 

4. MEDITAÇÃO

– Os presentes podem dizer o que chamou a atenção no Evangelho. Em seguida, quem preside lê o texto a seguir:

Os discípulos de Emaús, de dentro de sua própria derrota e descrença, descobrem que Jesus está vivo. Jesus os faz compreender que da morte vem a vida. Aquece seus corações e abre seus olhos. Também para nós, a vida e a luz podem chegar por todas as situações de morte de nossa existência, como aconteceu com Jesus Por sua cruz nos vem a reconciliação e o dom do Espírito Santo que nos coloca na comunhão com Deus. No Ressuscitado a humanidade inteira e todo o universo se acham secretamente recriados, transfigurados. Estejamos despertos e vigiemos para viver como criaturas novas, cuidando uns dos outros e da criação. 

5. PRECE DE AGRADECIMENTO

Irmãos, e irmãs agradeçamos a Jesus, que por sua morte e ressurreição, nos deu a vida: Nós te agradecemos. – Cristo, Vencedor do pecado e da morte,  Nós te agradecemos.

  • Amigo da humanidade, ressuscitado e vivo à direita do Pai,  Nós te agradecemos.
  • Cordeiro imolado, que te ofereces para resgatar-nos do mal, Nós te agradecemos. – Pão vivo e remédio de imortalidade, que nos dais a Vida eterna,  Nós te agradecemos.

6. PAI NOSSO

– Quem coordena faz o convite à oração: 

– Faz-se um breve intervalo para preparar a mesa. 

7. ORAÇÃO À MESA

– Antes de sentar-se à mesa quem preside faz a bênção:

Bendigamos ao Senhor por esta refeição e digamos: Graças a Deus.

  • Nós te agradecemos ó Pai, porque, ressuscitado, Jesus se manifestou aos discípulos de Emaús durante uma refeição, tirando dos seus corações as sombras e a tristeza da morte.  Graças a Deus.
  • Nós te agradecemos porque, ressuscitado, ele quis fazer do alimento preparado e partilhado fraternamente, sinal de que está vivo e nos fortalece e anima a cada novo dia. Graças a Deus.
  • Hoje, no domingo da ressurreição, festa da páscoa, ele nos alegra com a sua presença entre nós, enquanto comemos e bebemos em seu nome, como irmãos e irmãs. Graças a Deus.
  • Derrama sobre nós e estes alimentos, a tua bênção, o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Amém.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *