A melhor idade

Publicado por Paroquia do Divino Espírito Santo em

No dia 1º de outubro é comemorado o Dia Internacional do Idoso, este dia foi escolhido no Brasil por ser o dia em que foi promulgado o Estatuto do Idoso, legislação específica sobre a situação do idoso e suas necessidades. Esse dia, nos lembra que a população idosa precisa de atenção e de cuidados.
Cada fase da vida deve ser bem vivida, tem ganhos e perdas. Na infância, há muito a se explorar, vontade energia não faltam, mas muitas são as limitações, principalmente físicas, pois nem tudo foi aprendido. Na infância e adolescência, vão vindo as transformações, as primeiras exigências do mundo, escola, relações, escolhas, e nossas emoções e intelecto nos prega peças, pois também estão em formação e estruturação para se chegar a fase adulta. Nesta ultima, já temos as estruturas amadurecidas e em pleno uso, e então começam as dificuldades. Ainda há desesperos, dúvidas, tudo ainda é muito intenso, mas nosso corpo, ainda pouco usado, dá conta das turbulências e intensidades, as noites mal dormidas, as intempestivas decisões e provações de trabalho, família e diversão. Divertir-se também nesta fase remete a muitos abusos e os interesses são diversos, o que leva a desgastes físicos e emocionais, mas que ainda podem ser driblados.
Lentamente vão passando os anos, com sua tranquilidade e sabedoria, depois de ter sofrido todas as angustias do crescimento, ter enfrentado todas as dificuldades da vida adulta, ter escolhido e re-escolhido tantas vezes, ver prioridades virarem bobagens, e “bobagens” virarem prioridade e até alegrias, chega-se a conclusão que não é preciso ter pressa. Nem sempre as coisas são como imaginamos e muitas são as possibilidades de escolha. Claro, o corpo mudou, boa parte das energias já foram gastas. Algumas limitações vêm devido às nossas escolhas anteriores – o corpo cobra agora aquilo que lhe foi pedido sustentar na juventude – e agora as relações construídas serão os apoios que possibilitarão se adequar as novas realidades. As palavras agora são paciência e adaptação.
Neste momento é que se deve buscar apoios familiares, profissionais, cuidar e dar atenção a saúde psíquica e física. Mais do que nunca uma reflete na outra de forma mais intensa que antes. As reservas físicas e energéticas não são mais abundantes quanto antes. A fortaleza interior está plena e maior do que nunca! Assim se vê a maturidade, e neste sentido, sem dúvidas, esta é a melhor idade.
Ao se refletir sobre a sabedoria tema do Mês da Bíblia escolhido pela CNBB, podemos pensar em quem representa esta sabedoria nos nossos dias? Nossos padres, já idosos, tem muito a nos ensinar e o quanto tem para admirarmos. Os avós, suas experiências como nossos primeiros catequistas. Se a sede e a avidez da juventude têm onde achar lugar na igreja hoje, foi graças a passos lentos dados antes de sua chegada. Que possamos dar espaço para esses pés e mãos experientes e vividos na nossa igreja, na nossa casa e em nossas vidas. Valorizar o idoso é valorizar todas as suas conquistas e investir na valorização de nós mesmos quando chegarmos lá.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *